Livro dos Provérbios (Pr) - Capítulo 11

1O JUSTO É PREMIADO, O ÍMPIO, CASTIGADO
Balança falsa é abominação diante do Senhor, o peso exato é de sua vontade.
2Quando vem a soberba, vem também a injúria; entre os humildes, porém, está a Sabedoria.
3A integridade dos justos os guia, a falsidade dos perversos os arruína.
4De nada adiantam as riquezas no dia da Vingança, mas a justiça liberta da morte.
5A justiça do íntegro fá-lo acertar o seu caminho, o ímpio se arruína por sua própria impiedade.
6A justiça dos retos os livrará, enquanto os iníquos serão colhidos em suas próprias ciladas.
7Morto o ímpio, não há mais esperança; também a expectativa das suas riquezas perecerá.
8O justo é libertado da sua angústia, enquanto, em vez dele, é apanhado o ímpio.
9O hipócrita engana com a boca seu amigo, mas os justos serão libertados pelo conhecimento.
10Com o êxito dos justos se alegra a cidade, como na perdição dos ímpios ela canta de alegria.
11Com a bênção dos justos prospera a cidade, pela boca dos ímpios ela se destrói.
12Quem mostra desprezo pelo próximo não tem bom senso; quem é prudente mantém-se calado.
13Quem anda tagarelando revela os segredos; quem é leal, guarda o que lhe foi confiado.
14Onde não há diretivas, o povo se arruína; a salvação se dá no amplo aconselhamento.
15Seremos afligidos pelo mal quem se torna fiador de um estranho: quem evita ser fiador estará seguro.
16Mulher bonita encontra a fama, e pessoas enérgicas alcançam a riqueza.
17A BOA CONDUTA É QUE FAZ BEM
Faz bem a sua alma quem é misericordioso; quem é cruel aflige sua própria carne.
18O ímpio só produz enganação; quem semeia a justiça terá recompensa condigna.
19Quem é firme na justiça prepara a vida; quem vai atrás dos maus, a morte.
20É abominável para o Senhor um coração perverso: o seu agrado está nos que andam com integridade.
21Cedo ou tarde, o mau não ficará impune, mas a descendência dos justos se salvará.
22Anel de ouro em focinho de porco: tal é a mulher bela, mas insensata.
23O desejo dos justos é tudo o que é bom, mas o que aguarda os ímpios é o furor.
24Alguns repartem o que é seu e tornam-se mais ricos; outros poupam mais do que é justo e estão sempre na miséria.
25Quem promove o bem se enriquecerá, quem dá de beber, mata a própria sede.
26Quem esconde o trigo será amaldiçoado pelo povo; mas a bênção estará sobre os que o vendem.
27Quem procura sempre o bem, procura agradar; quem, porém, anda à cata de males, estes lhe sobrevirão.
28Quem confia nas suas riquezas, cairá; os justos, porém, como folhas verdes germinarão.
29Quem perturba a própria casa, herdará o vento; quem é insensato acabará como escravo do sábio.
30Árvore da vida é o fruto do justo; aquele que é sábio cativa as pessoas.
31Se o justo recebe, aqui na terra, a sua retribuição, quanto mais o ímpio e o pecador!

Capítulos