Livro dos Provérbios (Pr) - Capítulo 24

1NÃO TENHAS INVEJA DOS MALVADOS
Não tenhas inveja dos malvados nem desejes estar com eles,
2pois sua mente planeja roubos e seus lábios proferem coisas perniciosas.
3Com a Sabedoria constrói-se a casa e com a prudência ela se consolida.
4Com a instrução se enchem os celeiros de toda sorte de bens, preciosos e belos.
5Quem é sábio é forte; a pessoa instruída tem o vigor redobrado.
6É com estratagemas que se prepara a guerra; a vitória virá, se for amplo o aconselhamento.
7É alta demais para o insensato a Sabedoria: ele não abrirá a boca no tribunal.
8Quem só planeja fazer o mal será considerado pernicioso.
9O insensato só pensa no pecado; o zombador é abominado por todos.
10Se te mostras fraco no dia da angústia, a força que te resta ainda diminuirá.
11Livra os que são conduzidos à morte; salva os que estão sendo arrastados à perdição.
12Se disseres: ?Não sabíamos!?, porventura não o percebe Aquele que pondera os corações? Pois nada escapa a Quem salva a tua vida e que vai retribuir a cada um segundo suas obras.
13Saboreia o mel, meu filho, porque é bom e o favo de mel, gostoso ao paladar:
14fica sabendo que assim é a Sabedoria para ti e que, se a encontrares, deixarás descendência e a tua esperança não falhará.
15Não armes cilada, ó perverso, à casa do justo e não perturbes o seu repouso.
16Sete vezes cai o justo, mas se levanta; os ímpios, porém, precipitam-se no mal.
17Quando cair teu inimigo não te alegres, e não se regozije teu coração com a sua queda:
18pois o Senhor poderia ver e ficar irritado, e acabaria desviando do ímpio a sua ira.
19Não te acendas em ira contra os malvados nem invejes os ímpios,
20pois o perverso não deixará descendência e a lâmpada dos ímpios se extinguirá.
21Teme o Senhor, meu filho, e teme o rei, e não te mistures com os novidadeiros:
22pois de repente virá a sua perdição, e quem vai distinguir entre a tua ruína e a deles?
23SEGUNDA COLEÇÃO DOS SÁBIOS - OBJETIVIDADE NO JULGAMENTO
Também isto é dos sábios: Não é bom ser parcial no julgamento.
24Quem diz ao ímpio: ?Tu és justo!?, as pessoas o maldirão e a nação o detestará.
25Mas os que o reprimem serão louvados e sobre eles virá a bênção da felicidade.
26Dá um beijo nos lábios quem responde com retidão.
27Cuida da tua tarefa lá fora e com diligência realiza-a no campo, para depois edificares tua casa.
28Não sejas testemunha sem motivo contra teu próximo, e a ninguém enganes com tuas palavras.
29Não digas: ?Como ele me fez, vou fazer eu a ele; pagarei a cada um com a mesma moeda!?
30?PASSEI PELO CAMPO DO PREGUIÇOSO?
Passei pelo campo do preguiçoso e pela vinha do insensato:
31e o que vi foram as urtigas enchendo tudo, os espinhos cobrindo o terreno e o muro de pedra, destruído.
32Diante disso, considerei no coração, vi, e aprendi a instrução:
33?Dormir um pouco, outro tanto cochilar, só um pouquinho cruzar as mãos para descansar,
34e a miséria virá sobre ti como que correndo e a mendicância, como um assaltante?.

Capítulos