Livro dos Provérbios (Pr) - Capítulo 25

1SEGUNDA COLEÇÃO SALOMÔNICA - PERANTE O REI
Também estes são provérbios de Salomão, recolhidos pelos escribas de Ezequias, rei de Judá.
2É glória de Deus velar as coisas, e é glória dos reis investigá-las.
3O céu por causa da altura e a terra, na sua profundidade, assim o coração dos reis é inescrutável.
4Tira as escórias da prata e sairá um vaso para o ourives;
5retira o ímpio da presença do rei e seu trono se firmará na justiça.
6Não te mostres enfatuado diante do rei nem te ponhas no lugar dos grandes.
7É melhor que te digam: ?Sobe para aqui!?, do que seres humilhado diante do príncipe.
8SENSO DE OPORTUNIDADE
Aquilo que teus olhos viram não o declares logo no processo. Pois, o que hás de fazer depois, quando teu companheiro te difamar?
9Resolve a tua causa com o amigo e não reveles segredo de estranho,
10para que este não venha a insultar-te, quando o ouvir, e a tua injúria não puder ser desfeita.
11Maçãs de ouro em bandejas de prata, assim é a palavra oportuna.
12Brinco de ouro e pérola brilhante, assim é a censura do sábio a um ouvido atento.
13Como o frescor da neve em dia de ceifa, assim é o mensageiro fiel, para quem o envia: ele renova a sua vida.
14Nuvens e vento, e chuvas que não vêm, tal é aquele que se gloria, mas não cumpre as promessas.
15Pela paciência abranda-se o príncipe, como a língua suave quebra os ossos.
16Encontraste mel? Come o que te basta, para que, saturado, não venhas a vomitá-lo!
17Afasta o pé da casa do teu vizinho, para que, saturado de ti, não venha a detestar-te.
18Martelo, espada e flecha aguda, assim é quem levanta falso testemunho contra o próximo.
19Dente cariado e pé vacilante, assim é, no dia da angústia, a esperança no traidor.
20Como quem despoja do manto em dia de frio, ou como o vinagre na soda, assim é quem se põe a cantar diante de um coração aflito.
21Se teu inimigo tem fome, dá-lhe de comer; se tem sede, dá-lhe de beber:
22assim amontoarás brasas sobre a sua cabeça, e o Senhor te retribuirá.
23Como o vento norte traz chuvas, assim a língua ferina produz tristeza.
24É melhor morar a um canto do sótão do que, com mulher briguenta, na mesma casa.
25Água fresca para quem tem sede, assim é a boa notícia que vem de longe.
26Fonte turvada com o pé e manancial poluído, tal é o justo que cai diante do ímpio.
27Comer mel demais não é bom, como a procura exagerada da glória não é glória.
28Cidade destruída e sem muralha, tal é aquele que não se controla a si mesmo.

Capítulos